quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Quem é bom amigo, tem bons amigos




Quem é bom amigo, tem bons amigos.

Machiavel

Along the river during the Shanghai Expo – An encounter with China’s global citizens from Shanghai Expo insights






The delta of the Yangtze, the Bund’s Peace Hotel between the former buildings of the Yokohama Bank and the Chartered Bank of India and Australia, the Sassoon House and its legendary musicians: the Far East plays jazz… One does not define easily a megalopolis which is about action, avant-garde and adventure, but Shanghai, where East meets West, will certainly give the world, from May to October 2010, an extraordinary show.

In 1900, on a site planned around the meandrous stream of the Seine River, Paris staged one of the most memorable Expos ever, and managed to attract on the theme “A Century In Retrospect” 43 foreign states and more than 50 million visitors. The 2010 Shanghai World Expo whose spatial arrangement revolves around the flow of the Huangpu river will not only offer a perspective on a cosmopolitan, hyper-dynamic and broad-minded megalopolis but it will also project its more than 70 million visitors into the world’s future.

As in the various versions of the panoramic painting (Qingming Shang He Tu), or Along the River During the Qingming Festival, the 2010 Expo will present the diversity and the vitality of the Chinese people but it will also illustrate the new relations between China and the “global village”. The millions of Chinese who will visit the Shanghai Expo and its 200 pavilions are, to a certain extent, China’s 21st century global citizens.

The most populous country in the world is still often perceived as self-centred, its mandarins as being aloof and self-satisfied but such a persistent representation misses some fundamental features of the contemporary Chinese reality: an unprecedented level of opening-up, a thirst for a better understanding of the foreign world and a desire not only to modernize a huge and ancient country but to become a source of modernity. On the 5.2 square kilometres large Shanghai Expo site – more than two times the size of Monaco –, in the middle of a global city, these features will be fully revealed.

The common and vivid Chinese locution (jing di zhi wa), or the frog at the bottom of the well, is used to deride a mix of parochialism, narrow-mindedness and complacency. In an increasingly interconnected and interdependent global village, the expression does not apply to China. In a 2009 survey conducted by the Washington DC-based Pew Research Centre, it appears that 93% of the Chinese respondents had a good opinion of international trade. The same institute estimates that 88% of the Chinese believe that their country’s economic situation is good.

In the Chinese collective psyche, opening-up, progress and confidence reinforce each other. The conjunction of these characteristics partly explains why the visitor to Beijing, Shanghai or Chongqing is often astonished by the energy which circulates, indeed, in most Chinese megalopolis. In 2009, the Pew centre inquired about the level of satisfaction in 25 nations and the study shows that 87% of the Chinese are satisfied with the way things are going in their country. Any reflection on China’s political system, economy, business or diplomacy has to integrate this high level of confidence in sharp contrast with the general apprehension which dominates in the Western countries.

The Chinese citizens have been transformed into “global citizens”. The world community which hitherto was mainly a Western exclusive club has now 1.3 billion new active constituents open to the idea of a global order but who expect to be adequately represented in its regulatory or political bodies and equitably depicted in its mainstream media.

One can certainly find China’s new global citizens in the following segments of the Chinese society which give also an idea of the magnitude of China’s opening to the world.

Around 300 million Chinese people study or speak English. Events like the Shanghai World Expo stimulate the desire to learn the language of international exchanges.

With more than 3 million copies, (Can Kao Xiao Xi), or Reference News, is the newspaper with the largest circulation in the People’s Republic. Reference News’ readers appreciate the fact that its content is mainly made of translated articles published all around the world. More generally, from July 2008 to June 2009, translated books accounted for 20% of China’s overall book market by title output and 30% of sales.

As of September 2009, with 360 million Internet users, China ranks first in the world for the number of “netizens”. While the number of foreign students in China reached a record high of 223,499 in 2008, the number of Chinese studying abroad expanded to 200,000 in 2009. Since Deng Xiaoping’s opening-up policy in 1978, almost 1.5 million Chinese chose to study abroad. In 2007, about 37 million Chinese travelled overseas. The World Tourism Organization predicts that 100 million Chinese tourists will travel abroad every year by 2020.

If more than 600,000 Chinese engineers graduate every year from institutions of higher education, one should also be aware that around 30 million Chinese are now learning piano and 10 million violins.

Tests to enter the top Chinese conservatories attract nearly 200,000 students a year. The Ukrainian virtuoso, Isaac Stern, portrayed in the 1980 documentary From Mao to Mozart anticipated China’s massive opening-up to the beauties of Western classical music. Robert Sirota, the distinguished American conductor and president of the Manhattan School of Music, believes that the future of classical music depends on developments in China in the next 20 years.

The Chinese people’s intense interest for the world does not mean that they forget or reject their own tradition.

On the contrary, for most of the Chinese intellectuals or the Chinese global citizens, the opening up to foreign cultures is an invitation to the reinterpretation of China’s tradition.

In fact, China’s curiosity for the outside world is concomitant with a return to the Chinese tradition and a reflection on the idea of “Chineseness”.

The debates, reflections and exchanges along the river during the Shanghai World Expo will provide some more evidence of this metamorphosis.

By David Gosset

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

IKEA lança produto da nova colecção



IKEA lança novo produto para casas-de-banho. O rolo de papel higiénico com o seu cão preferido!

Com os assaltos que há hoje em dia, mais os cães abandonados o IKEA está seguro de um sucesso comercial garantido.

Tem em network on-line, consultas com todos os canis do país!

Campanha de prevenção contra a sida...use o preservativo...ele há surpresas




Tudo pode acontecer no campo ou na cidade...use o preservativo!

violação do segredo de justiça...é assim que se faz



Mão amiga, tirou uma fotografia à D.Celeste sem ela se aperceber, quando já quase à tardinha e sem ninguém na repartição, recolhia um sortido de documentos confidenciais para levar para casa, sem autorização do chefe!

Será que é sem essa autorização? Ou reparte com ele um arredondamentozinho no fim do mês?

The essence of aristocracy





What is, the essence of aristocracy, the cult of image or just simplicity based on egalitarian principles?

Old or recent nobiliary aristocracy, bourgeois aristocrats, talented aristocracy, all coexisted in the society with different manifestations of luxury: ostentatious luxury exceeding their social background, inherited luxury displaying past wealth, and, occasionally, a reserved luxury, reflecting the wish to maintain their social status and state social dignity.

Simplicity, however, is also one of the traits of aristocracy, whether in social life, familial relationships and in charity.

Society values aristocrats according to their manners, compelling them to replace arrogance by simplicity, superiority by affability, even if this does not rule out a certain degree of condescension.

Simplicity confers aristocracy prestige, influence and social or personal superiority, becoming their essence in the extent that relationships with others are based on reciprocal respect founded both in hierarchical rights and in the right of human dignity.

Para Viver Um Grande Amor por Vinicius de Moraes


Para viver um grande amor, preciso é muita concentração e muito siso, muita seriedade e pouco riso — para viver um grande amor.

Para viver um grande amor, mister é ser um homem de uma só mulher; pois ser de muitas, poxa! é de colher... — não tem nenhum valor.

Para viver um grande amor, primeiro é preciso sagrar-se cavalheiro e ser de sua dama por inteiro — seja lá como for. Há que fazer do corpo uma morada onde clausure-se a mulher amada e postar-se de fora com uma espada — para viver um grande amor.

Para viver um grande amor, vos digo, é preciso atenção como o "velho amigo", que porque é só vos quer sempre consigo para iludir o grande amor. É preciso muitíssimo cuidado com quem quer que não esteja apaixonado, pois quem não está, está sempre preparado pra chatear o grande amor.

Para viver um amor, na realidade, há que compenetrar-se da verdade de que não existe amor sem fidelidade — para viver um grande amor. Pois quem trai seu amor por vanidade é um desconhecedor da liberdade, dessa imensa, indizível liberdade que traz um só amor.

Para viver um grande amor, il faut além de fiel, ser bem conhecedor de arte culinária e de judô — para viver um grande amor.

Para viver um grande amor perfeito, não basta ser apenas bom sujeito; é preciso também ter muito peito — peito de remador. É preciso olhar sempre a bem-amada como a sua primeira namorada e sua viúva também, amortalhada no seu finado amor.

É muito necessário ter em vista um crédito de rosas no florista — muito mais, muito mais que na modista! — para aprazer ao grande amor. Pois do que o grande amor quer saber mesmo, é de amor, é de amor, de amor a esmo; depois, um tutuzinho com torresmo conta ponto a favor...

Conta ponto saber fazer coisinhas: ovos mexidos, camarões, sopinhas, molhos, strogonoffs — comidinhas para depois do amor. E o que há de melhor que ir pra cozinha e preparar com amor uma galinha com uma rica e gostosa farofinha, para o seu grande amor?

Para viver um grande amor é muito, muito importante viver sempre junto e até ser, se possível, um só defunto — pra não morrer de dor. É preciso um cuidado permanente não só com o corpo mas também com a mente, pois qualquer "baixo" seu, a amada sente — e esfria um pouco o amor. Há que ser bem cortês sem cortesia; doce e conciliador sem covardia; saber ganhar dinheiro com poesia — para viver um grande amor.

É preciso saber tomar uísque (com o mau bebedor nunca se arrisque!) e ser impermeável ao diz-que-diz-que — que não quer nada com o amor.

Mas tudo isso não adianta nada, se nesta selva oscura e desvairada não se souber achar a bem-amada — para viver um grande amor.

O prazer da leitura



Na história da Humanidade, houve livros que já foram queimados e homens perseguidos.

Mas não foi só isso: houve guerras em nome da paz que dividiram o espaço com heróis e mártires apaixonados por grandes causas tendo a elas dedicado as suas vidas.

O mundo passou por transformações. Houve Homens que fizeram história, como o rei Salomão, respeitado pela sua grande sabedoria e pensadores como Platão, Sócrates e muitos outros que permanecem vivos até aos dias de hoje.

Génios como Leonardo da Vinci e Miguel Ângelo que abrilhantaram o Renascentismo com as suas presenças, e Einstein, o cientista mais importante do século passado, descobriu a Teoria da Relatividade. O muro de Berlim caiu, a China transformou-se no gigante Asiático que é hoje em dia e o sonho de Martin Luther King realizou-se através de Barack Obama, o primeiro Presidente negro da história dos Estados Unidos.

Todos estes acontecimentos marcaram a história e mantêm-se vivos através dos livros que, geração após geração, exercem o papel de mensageiros e multiplicadores do conhecimento. Acontecimentos que, se dependessem apenas da memória humana, certamente teriam caído no esquecimento e ficado algures perdidos na linha do tempo.

Hoje os tempos são outros e o mundo vive outro tipo de conflitos e revoluções. Com o aparecimento da tecnologia o homem moderno questiona-se se é possível sobreviver sem ela.

E, este mesmo homem, totalmente informatizado, também se pergunta quanto tempo mais os livros, aqueles que um dia foram queimados e que registaram os mais importantes avanços da Humanidade, resistirão às tentações da modernidade.

Previsões não faltam, decretando o fim do livro impresso e o domínio dos e-books. O Kindle, desde o seu lançamento, já vendeu mais de 1 milhão de aparelhos, mas ainda assim nada poderá convencer os verdadeiros leitores, aqueles que têm prazer na leitura, sobre a razão para o fim do livro impresso.

Nada supera a sensação de folhear as páginas de um livro. Os livros impressos não precisam de energia ou sinal, são companheiros e, não importa aonde estejam no mundo, eles estarão sempre perto de nós.

Steven Spielberg defende que a leitura de um grande livro é muito mais rica que assistir a um grande filme. Bill Gates, o criador da Microsoft, encerra o assunto afirmando que os seus filhos terão computadores mas, antes, terão livros.

Terão também a liberdade, já que o livro nos conduz à mais fantástica viagem permitida ao homem - a viagem ao mundo do conhecimento.

Serão livres também todos aqueles que entenderem que o livro nos liberta da ignorância e nos leva a lugares e experiências inimagináveis.

Livre o homem que conhece a sua história.

E o livro estará sempre por cá para contá-la.

MNA

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Novo programa de Miguel Sousa Tavares



Havendo tantos outros temas para abordar num primeiro programa, a estreia de Miguel Sousa Tavares foi um flop, na minha opinião!

Como nenhum dos dois gosta um do outro, não me importo de ser crítico!

Perguntas:

1. para receber um chorudo cachet tem que assegurar audiências para a SIC, pois a TVI lidera! Achará ele que matraquear os Portugueses com uma entrevista com o Primeiro-Ministro chata, repetitiva de tudo quanto já tem sido escrito, lido, ouvido e redito vai entusiasmar os potenciais novos espectadores?

2. não seria mais interessante inovar e vir falar de coisas, de pessoas, de factos positivos, de sucesso e de assuntos captivantes? Ou Portugal reduz-se ao Governo, aos partidos e à política?

3. não há Portugueses cá dentro e lá fora que vão vivendo, trabalhando e produzindo com garbo, prestígio, brilho e luzimento para o nosso país? Porque são sempre os mesmos a entrevistar e a serem entrevistados?

4. já que gosta tanto de fumar, talvez não nos importássemos de o ver enterrado num bom sofá muito confortável de perna traçada, com uma bebida apetecível ao lado que beberricaria de quando em vez, entrevistando e conversando sobre cultura, música, literatura, poesia, arte, cinema, teatro, com gente inteligente e diferente que tornasse o nosso serão em momentos de cumplicidade em vez de uma valente séca ? Em França chamava-se "bouillon de culture"!

5. será que só se pode falar de futebol e de política para criar um novo programa que "seja" um potencial sucesso?

Termino dando dois exemplos que ilustram o que atrás fica por mim dito e a que veementemente convoco os meus bondosos leitores:

a. o programa ao Domingo à noite pelas 22h na rtp2, de nome "Câmara Clara" com a Paula Moura Pinheiro. A não perder!

b. o Colégio S.João de Brito em Lisboa, dos Jesuítas, organiza no dia 13 de Março várias conferências por "gente conhecida" que não têm nem a ver com o colégio, nem com os Jesuítas, são, como se diz agora, da sociedade civil (Ricardo Araújo Pereira; o "chef" José Avillez, economistas, advogados, engenheiros, artistas de teatro e de cinema, pintores, escultores que vão falar de coisas agradáveis e das suas experiências positivas aqui no Reino de Portugal, sim aqui, mesminho no país dos Sócrates, dos Soares, dos Rangéis, dos Passos Coelhos e dos Portas e dos Louçãs e dos Jerónimos de Sousa!

É para gente abaixo dos 40 e o link é: http://www.feejustica.net/

MNA

Jornal "Sol" recruta cães para delatores de violação do segredo de justiça



Chegou-nos às mãos a informação de que o "Sol" com medo de represálias e da ida para o xelindró do seu director por violação do segredo de justiça, contratou cães treinados que pelo telefone e em latidos criptados transmitem todo o tipo de notícias que possam aumentar as vendas do jornal, em iminência de falência, ao contrário do "Expresso".

As fúrias de Mr. Gordon Brown


Quem diria que Gordon Brown tem fúrias e que trata mal o pessoal do seu gabinete em 10, Downing Street?

Rebecca é a avó de Sarah, uma das recepcionistas de Mr. Brown e estando reformada deu-lhe para ir protestar em nome da neta, e pelo caminho, aproveitou para se queixar das benesses concedidas aos bancos em detrimento dos seus clientes...

Ano Novo Chinês no Tibete



O Ano Novo Chinês no Tibete, revestiu-se desta feita de especial significado, pois sendo o Ano do Tigre, é considerado de grande pujança.

Brincadeiras de péssimo gosto....

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Falência de imobiliárias em Espanha...



Nas falências estrepitosas de várias imobiliárias em Espanha, tudo o que restou de sumptuosas fincas com recheios de grande opulência, é infelizmente a vista...

Amor de mãe...



Tal mãe, tal filha...

estamos sempre a reinar....



Trabalhadores de empresas falidas e obsoletas, fazem brincadeirinhas com o equipamento...

airpartments no novo aeroporto...



Devido às restrições no orçamento de Estado quanto às megas obras públicas, o Governo deu instruções à ANA para que contacte imobiliárias e arquitectos a fim de que carlingas de aviões antigos possam ser aproveitadas para um novo conceito de "airpartments"!

Ela há coisas do diabo na "mamã" natureza...serão já efeitos do buraco do ozono?



Num parque da cidade, foi isolada a zona à volta de uma árvore centenar, por temer-se tratar de efeitos já causados pelo buraco do ozono...

Jogo Sporting-Benfica



Adepto híbrido, faz sinal de vitória para os dois lados....

Conheço gente que já está a pensar no mesmo, não vá o Sócrates sair e nada melhor do que jogar em 2 carrinhos...ou melhor dedinhos!

Pergunta-se, com curiosidade, qual é que será o segundo dedinho?

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Ponto da situação



Estou bem contente com o impacto deste meu blogue, pois apesar de ter escassos comentários em cada página e nas respectivas entradas, recebo dezenas de opiniões, por e-mail.

No “contador” tenho cerca de 340 seguidores…tendo começado em Dezembro de 2009, estou muito reconhecido.

Os meus amigos de direita dão-me no côco e ficam escandalizados dizendo que virei perigoso esquerdista, socialista, apoiante do Sócrates o qual, bem como o seu governo, tem levado neste blogue, mócadas valentes!

Os meus amigos divertidos, abertos e com cultura umas vezes estão de acordo outras contra, mas vão-me enviando verdadeiras pérolas de comentários que enriquecem os meus arquivos.

As minhas amigas brejeiras deliram e incentivam-me a mais despautérios, as castas “dizem-me” que córam, mas confessam que aguardam sempre por mais.

Os jovens leitores, esses, por eles the sky is the limit!

Para mim, este blogue preencheu uma dupla função: observar e divertir-me…sendo um pouco diletante, como convém!

Ao observar, critico, opino - e ao divertir-me posso ou não divertir os meus leitores, suscitando nestes duas reacções: criticismo positivo ou negativo, ou em última análise amorfismo, indiferença, total ausência de reacção!

Dizem-me muitos que têm pouco tempo disponível mas que fazem consultas periódicas, outros que não se entendem com a internet, e uns quantos que nem abrem!

Naturalmente que ninguém gosta de ser criticado mas, infelizmente é um facto da vida. Um blogue tem, em parte essa missão!

Os meus leitores que sejam capazes de responder ao criticismo do blogue com elegância e desprendimento revelam uma importante ferramenta na vida, que poucas pessoas têm.

A maior parte das vezes as críticas são baseadas em algumas verdades. Criticar pode parecer negativo. Mas, através das críticas tem-se a oportunidade de aprender e melhorar.

Porém o problema está em que ao se fazerem críticas, sugerindo, dando a entender ou intuindo novos caminhos, repara-se mais na forma confrontacional em como são expressas as opiniões.

É sempre importante saber separar as emoções das realidades que lhes estão subjacentes.

No fundo, na maior parte das vezes só se valoriza o louvor. Quando se elogia, as pessoas sentem-se felizes.

Quando se critica sentem-se furiosas e revoltadas.

O que aconteceria se somente fizéssemos louvores imerecidos e bajulássemos com falsas lisonjas? Como se poderia melhorar?

Ao criticar-se um petisco da(o) bem-amada(o), fica ofendida(o)!

Mas, é um erro olharem-se a si próprios como um “arroz de pato” ou um “cheese cake”!

Pode-se ter razões para se achar o tal petisco de menos boa qualidade, mas isto não significa que se esteja a criticar o “chef”!

Talvez se pensar-se que a crítica é dirigida a alguma “zona de menos luz” de cada um, se esteja a evitar criticar o seu orgulho ou ciúme; mas o ciúme é uma emoção passageira, não é a própria pessoa.

Às vezes critica-se sem justificação, sem razão. É de facto, doloroso. Mas, potencialmente é mais fácil lidar com isso do que quando as críticas são justificadas!

Há sempre a velha opção de ignorar completamente. É tão inofensivo como tentar fazer-se mal a um elefante!

Ao ficar-se calado e afastado, não se alimentam as críticas.

È sempre bom esperar antes de responder às críticas : ao responder-se com imediatismo, fúria, emoção ou com orgulhos feridos vem-se sempre mais tarde a arrepender. Ao esperar-se pacientemente, permite-se reflectir de uma forma mais calma.

Há, porém, uma coisa que me apraz mais do que tudo neste blogue: a liberdade de poder escrever responsávelmente, o que quero e me apetece!

E é com tudo isto com que os meus leitores contam….e também com um enorme e aberto sorriso!

PU-JIE

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

PU-JIE gourmet 3 - Veneza - Harry's Bar





Harry's Bar

Deve começar-se por tomar um drink chamado Bellini, mas eu não tomei!

Giuseppe Cipriani opened Harry's Bar in 1931 with financing from a Bostonian named Harry. Sit at the bar and drink a Bellini, invented here, and then think about the fact that Hemingway probably sat in exactly the same spot and drank exactly the same drink.

Then remind yourself that Hemingway was a real man who wouldn't have been caught dead drinking a sissy drink like peach juice and sparkling wine.

The food at Harry's Bar gets one star (as high as it gets in Venice) from the Michelin Red Guide and it is deserved. Service in the upstairs restaurant is superb.

If you're lucky, none other than Harry Cipriani (Giuseppe's son, born one year after the bar) will come out and ask you how you're enjoying dinner.

Right across from the San Marco vaporetto stop.

Di Francesca e Vincenzo Osteria/Enoteca is a good restaurant halfway between the Accademia and the Ca' Rezzonico, com optima comida italiana e excelentes vinhos!

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Subscrição pública para pagar o internamento rápido de Henrique Medina Carreira num lar para surdos...



QUOTE

HENRIQUE MEDINA CARREIRA

HÁ MUITO TEMPO QUE ESTE ILUSTRE E LUCIDO ECONOMISTA, EX-MINISTRO DAS FINANÇAS E PRECLARO COMENTADOR E INTERVENTOR EM QUESTÕES ECONÓMICAS, VEM DIZENDO, QUER NA RTP, QUER NA ANTENA DA SIC OU SIC NOTICIAS QUE, LHE PERMITAM UMA HORA DE ANTENA PARA ESCLARECER TODA A GENTE, SOBRE O QUE VERDADEIRAMENTE SE PASSA EM PORTUGAL RELATIVAMENTE À CRISE, AO ESTADO, AOS POLITICOS E À VERDADEIRA SITUAÇÃO ECONÓMICO-FINANCEIRA DO PAÍS.

ATÉ AO MOMENTO PRESENTE, PARECE QUE TODOS ESTES PEDIDOS, NÃO TIVERAM HIPÓTESE DE SER SATISFEITOS, OU INCOMODAM DE TAL MANEIRA QUE A MENSAGEM NÃO PASSA.

ESTA SEMANA, NO PROGRAMA DA RTP 1 "PRÓS E CONTRAS" (Mais prós do que contras, infelizmente), MAIS UMA VEZ O DR HENRIQUE MEDINA CARREIRA, PEDIU À JORNALISTA FATIMA CAMPOS FERREIRA QUE FALE COM OS SEUS "PATRÕES", QUE ELE DISPONIBILIZAR-SE-Á PARA EXPLICAR A VERDADE A TODOS OS PORTUGUESES E A QUEM MAIS QUEIRA OUVIR.

NESTES TERMOS, JULGA-SE DEMASIADO IMPORTANTE, OUVIR DE VEZ ESTE PROFISSIONAL E TÉCNICO DE DIREITO, ECONOMIA E FINANÇAS.

CERTO SERÁ SABER-SE QUE, NENHUM CANAL DE TV, EM HORÁRIO NOBRE PERMITIRÁ ESTE ESCLARECIMENTO TÃO IMPORTANTE PARA PORTUGAL E PARA OS PORTUGUESES.

A RTP, POR RAZÕES DE INCÓMODO POLITICO MAIS QUE CERTO; A TVI, NÃO SE CONHECE BEM O DESÍGNIO E POSTURA JORNALISTICA (Mas certamente mais preocupada com a Bolsa de Madrid); FINALMENTE A SIC..., TALVEZ, MAS COMO SE TRATA DE UMA ESTAÇÃO PRIVADA E COMERCIAL, ... POR ESTE MOTIVO...

SE PROPÕE QUE OS DESTINATÁRIOS DESTE E-MAIL AVALIEM A POSSIBILIDADE DE SE COMPRAR ESSE TEMPO DE ANTENA ( 60 MINUTOS ) SEM INTERRUPÇÕES DE MODERADORES NEM INTERVALOS PUBLICITÁRIOS, DEVENDO O VALOR, CERTAMENTE ELEVADO, SER PAGO POR UMA SUBSCRIÇÃO PÚBLICA DE CIDADÃOS INTERESSADOS.

UNQUOTE

PU-JIE recebeu hoje este pedido, e apressou-se a subscrever com Euros 170,00 a educação por um ano de uma criança de Moçambique como indicado no posting mais abaixo! Sempre é mais útil!

Francamente! Tem um programa ao Sábado na televisão e era só o que mais faltava vir mendigar uma horita na tv!

Nunca se viu coisa assim....

MNA

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

como apadrinhar a educação e alimentação por um ano, ao custo de Euros 170,00 de uma criança em Moçambique



Caro Amigo

Um Pequeno Gesto


Muito obrigada pelo seu interesse na nossa Orgnização. Neste momento as crianças que estão por apadrinhar estão inseridas no novo projecto S. Vicente de Paulo.

Passamos a expor abaixo e em anexo como apadrinhar e também sugerimos que visite o nosso álbum on-line

http://picasaweb.google.com/umpequenogesto/EscSVicentePauloFotosOficiais2Classe#

onde poderá ver fotos individuais das crianças e assim fazer a sua escolha.

Esclarecemos que nas fotos das crianças já apadrinhadas consta em legenda o nome do respectivo padrinho/madrinha. Caso queira mais algum esclarecimento não hesite em contactar-nos.

A ONG Um Pequeno Gesto Uma Grande Ajuda é uma Associação Sem Fins Lucrativos dedicada à promoção da melhoria das condições de vida de crianças e jovens desfavorecidos e suas famílias em Moçambique.

De forma a conhecer-nos melhor, o nosso novo site já está no ar, não hesite em visitar-nos em www.umpequenogesto.org

Como ajudar?

Poderá contribuir Apadrinhando uma criança moçambicana ou Apadrinhando um projecto.

Ambas as iniciativas promovem a melhoria de vida das nossas crianças e comunidade circundante.

Apadrinhe uma Criança

O que é Apadrinhar uma criança?

Por apenas 50 cêntimos/dia, pode mudar a vida de uma criança Moçambicana. Temos diversos projectos de Apadrinhamento de crianças e a ajuda dos padrinhos pretende financiar as suas refeições e os gastos com a educação, bem como vestuário e despesas de saúde quando necessário.

Não se esqueça que estas crianças não têm família e estão sedentas de carinho e atenção. Mais do que uma ajuda financeira, incentivamos todos os padrinhos a entrar em contacto com os seus afilhados e estabelecerem uma relação. Qualquer gesto da parte dos padrinhos é sem dúvida muito importante para as crianças. (Veja em baixo como completar o processo).

Que projectos precisam de padrinhos?

Em 2010, a Um Pequeno Gesto começa o projecto S. Vicente de Paulo com a Irmã Neusa das Irmãs Vicentinas.

A Escola Primária do 5º Bairro de Chokwé recebe 700 crianças diariamente, 300 das quais são órfãs. A UPG começa por apadrinhar 100 crianças órfãs e pretende o alargamento a todas as 300 crianças órfãs nos próximos 3 anos.

A ajuda dos padrinhos pretende criar condições mínimas de sobrevivência para as crianças com o financiamento da alimentação, vestuário, educação e material escolar e ajuda pontual à saúde. Para ajudar estas crianças e fazer a diferença na sua vida basta um Pequeno Gesto anual de €170.

Adicionalmente, o Padre Rosendo pediu o alargamento do Projecto de Banhine a mais 100 crianças que a UPG não pode recusar. A ajuda dos padrinhos pretende criar condições mínimas através da distribuição mensal de comida e promoção da educação e acesso a material escolar. O valor do Apadrinhamento é igual ao ano anterior, de €150 por ano.

O que fazer para se tornar padrinho?

Para se inscrever na lista de padrinhos, por favor envie um e-mail para:

geral@umpequenogesto.org

Deverá incluir os seus dados pessoais: nome do(s) padrinho(s), morada, telefone, nome completo e número de contribuinte e dados do apadrinhamento: número de crianças a apadrinhar, preferência de género e idade, preferência de projecto (faremos o possível para acomodar a sua preferência).

No final deste texto encontra os detalhes de pagamento: por transferência bancária, cartão de crédito ou cheque.

Como fazer o seu contributo/doação?

Para efectuar a sua contribuição (todos os donativos/contribuições são dedutíveis para efeitos fiscais) e assim formalizar o Apadrinhamento, disponibilizamos as seguintes formas de pagamento:

1) Transferência Bancária

Banco: Millenium BCP | NIB: 00 33 0000 453 400 25763 05

IBAN: IBAN: PT50 0033 0000 453 400 25763 05
BIC/

SWIFT: BCOMPTPL

Nota: Por favor envie-nos um e-mail com o titular da conta na data da transferência para facilitar o controlo

2) Cheque/ Numerário

Cheques à ordem de: Um Pequeno Gesto Uma Grande Ajuda

Morada: Av. das Acácias, N. 52- 2º B, Jardins da Parede, 2775-342 Parede, Portugal

Nota: Para depósitos no balcão, agradecemos que indique o nome do padrinho


3) On-line

Via Paypal com cartão de crédito. Poderá efectuar o pagamento através do nosso site:

http://www.umpequenogesto.org/umpequenogesto/pt/ajudar/donativo.html

Nota: Por favor inclua 5€ de custos de transacção

Qual o valor do meu Pequeno Gesto?

Projecto S. Vicente Paulo: 170€ (inclui despesas com educação, alimentação, vestuário e saúde durante um ano)


Para mais informações?

Visite-nos em

www.umpequenogesto.org

ou visite

o nosso blog em http://umpequenogestoumagrandeajuda.blogspot.com, com actualizações quase diárias.



Ficamos na expectativa de notícias e desde já agradecemos a sua vontade de ajudar. Todo o Pequeno Gesto conta, faça o seu!

Ainda existem muitas crianças à espera de um padrinho, passe a palavra!
Todo o Pequeno Gesto conta. Faça o seu!
Anabela Nina – Directora de Apadrinhamento
Um Pequeno Gesto Uma Grande Ajuda (ONGD)

Afilhados: 503 em 2009, 372 em 2008 e 88 em 2007
Fundos: 104,231 em 2009, €90,859 em 2008, €24,130 em 2007

NIB Conta Donativo Portugal: 0033 0000 4534 0042 447 05
NIB Conta Donativo Moçambique: 0016 0001 2410 0000 3733 0
NIF: 508 178 754 | Telefone: 91 887 80 20