domingo, 23 de maio de 2010

In Tudor times


“Cookery has become an art, a noble science; cooks are gentlemen.”

Robert Burton, English cleric and writer, (1577-1640)
'Anatomy of a Melancholy'


“When partridges are served to ladies only, or in parties where they are present, it is now customary to take off the heads....For gentlemen's dinners the heads may be left on or not at choice.”

Eliza Acton
‘Modern Cookery for Private Families’ (1845)


TUDOR ENGLAND

Tudor England was an agricultural society. Most of the population lived in small villages and made their living from farming. Having said that towns grew larger and more important. During the 16th century trade and industry grew rapidly and England became a more and more commercial country. Mining of coal, tin and lead flourished. So did the iron industry. During this period England became richer and richer.

However there were winners and losers in Tudor times. Upper class and middle class Tudors saw a big rise in their standard of living. As England grew more and more prosperous the homes of the well off became more and more comfortable. However the lowest section of society, the wage labourers, became worse off. In the 14th century a large part of the population died of plague. As a result there was a shortage of labour so wages went up. However in the 16th century the population recovered so real earnings fell.

In the 15th century the population of England may have been around 2 1/2 million. By 1525 it had risen to around 3 million and by 1600 it was about 4 million.

During the 16th century there was inflation, especially in the mid-century, and prices rose steeply. Wages rose too but less than prices so real earnings fell. They reached their lowest point in 1597. (The years 1594-97 were ones of famine. In Cumbria, the poorest and most isolated part of England, people starved to death).

TUDOR SOCIETY

Tudor society was divided into four broad groups. At the top were the nobility who owned huge amounts of land. Below them were the gentry and rich merchants. Gentlemen owned large amounts of land and they were usually educated and had a family coat of arms. Most important gentlemen never did any manual work, that was beneath their dignity. Below the gentry were yeomen and craftsmen. Yeomen owned their own land. They could be as wealthy as gentlemen but they worked alongside their men. Yeomen and craftsmen were often able to read and write. Below the yeomen were the tenant farmers who leased their land from the rich. There were also wage labourers. They were often illiterate and very poor.

In the 16th century about 50% of the population lived at subsistence level. In other words they had just enough food, clothes and shelter to survive. For them life was very hard.

However it was possible to move from one class to another. With hard work and luck a husbandman could become a yeoman. A yeoman could buy a coat of arms and become gentlemen. It was possible for an ambitious young man to rise in the world.

TUDOR FOOD

Rich Tudors ate vast amounts of meat. However they rarely ate vegetables. Rich people were not necessarily well fed because they ate too few vegetables. Poor people ate plenty of vegetables because they had no choice! Vegetables were cheap but meat was a luxury.

On certain days by law people had to eat fish instead of meat. At first this was for religious reasons but later in the 16th century it was to support the fishing industry. If you lived near the sea or a river you could eat fresh fish like herrings or mackerel. Otherwise you might have to rely on dried or salted fish.

Poor Tudors lived on a dreary diet. In the morning they had bread and cheese and onions. They only had one cooked meal a day. They mixed grain with water and added vegetables and (if they could afford it) strips of meat.

All classes ate bread but it varied in quality. Rich peoples bread was made from fine white flour. Poor people ate coarse bread of barley or rye.

In the 16th century many people thought fresh fruit was bad for you. They did eat fruit but usually after it was cooked and made into a tart or pie.

The Tudors were also fond of sweet foods (if they could afford them). However in the 16th century sugar was very expensive so most people used honey to sweeten their food.

In the 16th century new foods were introduced from the Americas. Turkeys were introduced into England about 1525. Potatoes were brought to England in the 1580s but at first few English people ate them. Tomatoes came to England from Mexico and apricots were introduced from Portugal.

Nobody drank water in Tudor times because it was too dirty. Young children drank milk. Everyone else drank ale or, if they were rich, wine. From the mid-16th century beer became common. The Tudors also drank cider and perry.

Rich people liked to show off their gold and silver plate. The middle classes would have dishes and bowls made of pewter. The poor made do with wooden plates and bowls. There were no forks in Tudor times. People ate with knives and their fingers or with spoons. Rich Tudors had silver or pewter spoons. The poor used wooden ones.

People in the 16th century made much of their own food. A farmers wife cured bacon and salted meat to preserve it. She baked bread and brewed beer. She also made pickles and conserves and preserved vegetables. Many prosperous farms kept bees for honey.

terça-feira, 18 de maio de 2010

Casamento gay: Cavaco Silva engoliu um bolo-rei inteiro sem mastigar



Pedro e José há muito que se amavam. Primeiro às escondidas dentro do armário. Mais tarde arriscaram substituir o cheiro a naftalina do interior pelo cheiro intenso a mofo das mentalidades no exterior. E lá saíram assumindo a homossexualidade primeiro e depois o namoro. Quis o destino e o governo PS com a ajuda da restante esquerda que pudessem celebrar o matrimónio dentro da legalidade ainda durante o ano conturbado de 2010. E assim foi.

Estava tudo a correr bem até à parte em que o conservador resolveu perguntar aos presentes se tinham conhecimento de algum impedimento legal que pudesse ir contra a celebração da união. Ouviu-se um barulho como se alguém estivesse a comer e todos se voltaram.

Quem falou?

- Fui eu.

Eu quem?

- O Presidente da República, meu imbecil.

Peço desculpa Senhor Presidente que não o estava a ver. Mas sabe de alguma razão válida para que este casamento não deva ser realizado?

- Sei de várias. Mas "há momentos na vida de um país em que a ética da responsabilidade tem de ser colocada acima das convicções pessoais de cada um" E ainda por cima as eleições estão aí à porta e o voto gay vale tanto como os outros.

Desculpe mas não percebi, quer precisar?

- Podem dar o beijinho na boca e siga a festa. E "bolo-rei para todos". Que eu hoje já engoli um inteiro sem mastigar. E soube-me a sapo.

Tiago Mesquita in Expresso

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Petit-déjeuner


Il a mis le café
Dans la tasse
Il a mis le lait
Dans la tasse de café
Il a mis le sucre
Dans le café au lait
Avec la petite cuillere
Il a tourné
Il a bu le café au lait
Et il a reposé la tasse
Sans me parler
Il a allumé
Une cigarette
Il a fait des ronds
Avec la fumée
Il a mis les cendres
Dans le cendrier
Sans me parler
Sans me regarder
Il s’est levé
Il a mis
Son chapeau sur sa tête
Il a mis
Son manteau de pluie
Parce qu’il pleuvait
Et il est parti
Sous la pluie
Sans une parole
Sans me regarder
Et moi j’ai pris
Ma tête dans ma main
Et j’ai pleuré.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Desalento


Prevejo grandes apertos de vida para todos nós a curto prazo, devido a esta danada crise que afecta a Europa e o nosso País.

Nem é tanto os sacrifícios materiais, mas é sobretudo o futuro das próximas gerações.

Será um país aonde haverá menos dinheiro para a cultura e as coisas da mente, as pessoas andarão stressadas e sem visão de uma vida melhor, pois mesmo que cumpramos as metas do PEC em 2013, logo a seguir voltar-nos-ão a pedir que paguemos tudo quanto ainda devemos e que é muitíssimo e que se irá agravando até esta data.

Por isso as perspectivas são de um enorme desalento e de uma certa revolta de como foi possível deixarmos chegar as coisas a este ponto.

Penso que a culpa nem é só dos Guterres, Santanas e Sócrates e até Cavacos.........é de todo um povo que amorfamente foi elegendo e mantendo no poder Governos, quadros, políticos, técnicos incompetentes, ou pelo menos, incapazes de anteciparem as consequências de asneiras irreparáveis.

E são os povos que pagam as crises, não as elites.

domingo, 2 de maio de 2010

The ** Michelin Allegretti Restaurant



Escape to the south of France without leaving the city at Allegretti, where we bring the tastes and traditions of Nice to New York.

Chef Alain Allegretti is known for the tantalizing flavours and unique visual appeal of dishes that emphasize fresh, authentic ingredients; now, in his first signature restaurant, he presents his cuisine in a setting to match the classic elegance and comfortable charm of the French Riviera.

As is the custom in the Chef's native region of Provence, the menu at Allegretti changes with the seasons to feature ingredients at the peak of their freshness. We invite you to relax and celebrate the best of each season with us as we present all that spring, summer, fall and winter have to offer.

Our versatile wine list features a range of bottles to accompany the light and refreshing cuisine, and our signature cocktails offer a playful, sophisticated alternative to pair with lunch or dinner. When you arrive at Allegretti you will be welcomed with warm Mediterranean hospitality that can be matched only in Provence itself.

Allegretti is located at
46 W. 22nd St., near Sixth Ave.
212-206-0555
http://www.allegrettinyc.com/

sábado, 1 de maio de 2010

O puxão no nariz



Eu estava num banco de praça quando o vi levantar-se e caminhar na minha direção.

Estacou em frente a mim e fez a pergunta:

"Você é o Andrezinho, filho do Seu Moacir"?

"Ele mesmo".

Deu um risinho, depois falou:

"Eu tinha certeza que era você."

Estava sentado naquele banco quando lhe vi chegar e disse pra mim mesmo aquele ali é o Andrezinho.

"Então, não está me reconhecendo?"

Olhei bem para o estranho de pele de um moreno acentuado, rosto rugoso, cabelos grisalhos, sem descobrir nenhum sinal que me levasse a identificá-lo. O timbre de voz não me soava familiar, e, enquanto o examinava, procurei nele um gesto característico, algo como um cacoete, em vão. Envergonhado, tive que lhe confessar que não o estava reconhecendo.

"Eu estou velho mesmo".

"Não é nada disso. Eu que sou um péssimo fisionomista". Outro risinho.

"Posso sentar"?

"À vontade".

Deu o terceiro risinho (me ocorreu, então, que o riso fácil fosse um cacoete, que a falta de convívio entre nós me tivesse feito esquecer completamente) e disse:

"Eu sou o Viliam".

Voltei a olhar atentamente para ele, buscando descobrir algum traço da pessoa que conhecera no passado. Nenhum traço. Em todo caso, a menção do seu nome me fez lembrar dele. Em meninos, fomos vizinhos, separados por quatro ou cinco casas e pela rua, e se não chegamos a ser amigos, fomos, pelo menos, companheiros de brincadeiras. Ele mais velho uns dois ou três anos.

"Está aposentado, Andrezinho?"

"Estou. Você também?"

"Quem dera."

"Faz o quê?"

"Trabalho em rádio. Setor esportivo. Sou o encarregado do plantão, o cara que dá informações sobre os resultados dos jogos. Será que não me ouviu algumas vezes?"

"Não sou ligado em esportes."

"Não me diga. Me lembro que você jogava bola até bem."

A conversa ia rolando, muito mais por iniciativa de Viliam. Eu me limitava praticamente a responder às suas perguntas. E enquanto ele soltava a língua, eu puxava pela memória, buscando desentranhar lembranças ligadas a ele. E fui me lembrando de Dona Marieta, sua mãe. Feia, de tudo fazendo para parecer bonita, pele amarelada, cabelo frisado, de um louro visivelmente artificial, falava mais do que o homem da cobra. Temperamento forte, com vocação para a prepotência, exercida principalmente sobre o marido - um barriga branca assumido. (Um detalhe, na aparência, insignificante, revela bem quem mandava na casa de Viliam. Era comum quando alguém nomeava algum menino acrescentar o nome do pai. Mas se era Viliam, a pessoa dizia filho de Dona Marieta e nunca filho de Seu George.) E aproveitando uma pausa na taramelice de Viliam, me ouvi a perguntar pela mãe dele.

"E Dona Marieta? Ainda está viva?"

"Viva até demais. E mais sadia do que eu. Come de tudo. Só está um pouco esquecida. Mora comigo desde que o papai faleceu."

"Seu George morreu?"

"Tem mais de dez anos. Mas eu ia dizendo..."

Pobre do Seu George. Deve ter chegado um momento em que não pôde mais suportar a convivência com a "caríssima" metade. E imaginava o que não estaria passando o filho ao lado daquela mãe autoritária, de convívio ainda mais difícil com a chegada da velhice. Mas ao mesmo tempo ponderava se Viliam já não não se amoldara ao temperamento da mãe, virado um submisso, feito o pai.

Mesmo porque, lembrava-me bem, Viliam não era um menino de cabelo na venta, que pudesse incutir nos outros meninos o medo de lhe pregarem uma peça para não receberem o troco. Fazíamos brincadeiras pesadas com ele, algumas de deixá-lo ferido e choramingando, e, no outro dia, lá estava o abestalhado de novo com a gente, como se nada tivesse acontecido.

"Sabe do que me lembrei agora (disse Viliam de repente e mais uma vez com aquele sorrisozinho)? Daquela vez que a velha deu um puxão no teu nariz. Tá lembrado?"

"Como não?"

"É, a Dona Marieta não era fácil. Ainda hoje não é, apesar da idade. Você sabe o que ela aprontou num dia desses?"

Começou a contar a mais recente truculência cometida pela mãe, mas as suas palavras entravam-me num ouvido e saíam no outro. O meu pensamento estava concentrado no episódia que ele acabara de lembrar. Aquele puxão de Dona Marieta no meu nariz, na presença da minha mãe e da minha irmã mais velha. E na minha própria casa."Isso é pra você nunca mais fazer arte com o meu filho."

As palavras da megera chegavam bem sonoras aos meus ouvidos, como se ditas naquele momento. E o estranho é que não me lembrasse da causa que a levara a fazer aquilo. Me lembrava vagamente que brincávamos, eu, Viliam e outros garotos, de cinturão queimado. Em dado momento da brincadeira, Viliam foi se queixar de mim a Dona Marieta e ela levantou-se da cadeira e me deu aquele puxão no nariz.

E de súbito, enquanto Viliam continuava falando para o vento, me fiz aquela pergunta: será que ele sabia que eu me vingara da agressão (sim, porque eu tinha dado o troco a Dona Marieta, fazendo-a passar por uma situação de extremo ridículo)?

Que ele presenciou o vexame da mãe, disso tenho certeza. Foi na festa de casamento da filha de uma amiga comum de mamãe e de Dona Marieta e Viliam lá estava junto com alguns dos nossos companheiros habituais de brincadeiras. Qualquer um daqueles meninos poderia ser o autor da peça de que Dona Marieta foi vítima, testemunhada por todos ali presentes, embora somente eu tivesse um motivo para armá-la.

Mesmo assim não acho possível que Viliam me convertesse no principal suspeito, ele que, me lembro bem, não resistiu ao riso, tanto quanto a maioria dos convidados, ao ver a mãe debatendo-se para se levantar da cadeira, gritando por socorro, e as pessoas tentando erguer Dona Marieta, uma puxando-lhe um braço, outra o outro braço, mais alguém o pescoço, mais gente para prender a cadeira no chão, e, finalmente, depois de muito suor e muito esforço físico, Dona Marieta sai do suplício , mas sem se livrar do toque final, o requinte do derradeiro ato da suprema humilhação a que foi submetida: o ruído, semelhante ao de um grande peido, do vestido se rasgando.

E a bruxa, aos berros, ai se eu pegar o moleque que fez isso, sendo escoltada até a um quarto da casa, enquanto o marido corria em busca de outro vestido.

"Tá vendo como a Dona Marieta ainda está em forma?"

Apenas retribuí o sorriso de Viliam, não ouvira uma palavra do seu relato. Ele se calara, para certamente descansar um pouco a garganta, tão ativa naquele nosso reencontro.

Enquanto isso, me debatia na dúvida entre lhe lembrar ou não o incidente ocorrido com Dona Marieta. Tinha vontade de tocar no assunto, e ao mesmo tempo não tinha, e o curioso na minha dúvida era o temor de que Viliam revelasse que sempre soubera que fora eu o autor da brincadeira e me encostasse contra a parede, deixando-me sem argumentos para contestar. E era meu desejo manter silêncio sobre a autoria da peça.

Um ponto de honra? Sei lá. Só sei que nunca abri a boca para me vangloriar do feito. E relutava em fazê-lo, justamente ao filho da bruxa.

"Bem, Andrezinho, tá na hora de tirar o time de campo."

De repente, Viliam estirou a mão deu um puxão no meu nariz, fez um último sorriso e foi embora.

Machado Assis